Atividades físicas podem ajudar crianças com TDAH

Elas pulam, correm, brincam, sobem escadas, dão cambalhotas e mesmo assim a “pilha” não acaba. Além da agitação excessiva, não conseguem terminar as tarefas que começam, perdem o interesse rápido, são impulsivas, dão respostas antes da pergunta terminar e não conseguem esperar sua vez.

Manter o foco é o grande desafio para as crianças com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade, também conhecido pela sigla TDAH.

A síndrome afeta o funcionamento do cérebro, mais precisamente o córtex pré-frontal, região que fica bem acima dos olhos e é responsável pela concentração”, explica Armando Ribeiro, psicólogo e coordenador do Programa de Avaliação do Estresse do Hospital Beneficência Portuguesa, de São Paulo. “Assim, é comum que as crianças que nascem com o transtorno apresentem menor rendimento na escola e dificuldades cognitivas”, diz.

O tratamento para TDAH varia de criança para criança. Muitas precisam só de terapias, outras terão de usar medicamentos também, o que será avaliado pelo especialista. Mas pesquisas recentes vêm mostrando os exercícios físicos podem ajudar a criança a melhorar sua atenção.

Um pequeno estudo da Universidade de Michigan, publicado no Journal of Pediatrics, observou os efeitos a curto prazo de uma sessão de exercícios na capacidade cognitiva das crianças.

Para isso, 20 crianças com diagnóstico ou suspeita de TDAH e 20 crianças sem a condição – todas com idades entre 8 e 10 anos e mesma renda familiar – passaram por testes de soletração, leitura e matemática em dois momentos: após 20 minutos de exercício em uma esteira e após 20 minutos de leitura.

Os resultados mostraram a influência das atividades físicas na concentração: os dois grupos tiveram melhor desempenho – ainda que sutil – após os exercícios do que depois da leitura. Nos testes, o grupo com TDAH respondeu corretamente 80% das questões após a leitura contra 84% após o exercício.

Precisamos saber ainda quanto tempo duram os efeitos do exercício e como poderiam ser combinados com os tratamentos tradicionais para TDAH”, disse o pesquisador líder Matthew Pontifex. “Mas ficou evidente que os exercícios têm um benefício adicional na cognição“, ressaltou.

O importante é incentivar a atividade física em todas as crianças, não apenas para aquelas com sintomas do transtorno, pois o sedentarismo pode, sim, prejudicar o desenvolvimento cognitivo da criança.

“As atividades físicas aceleram a frequência cardíaca e com isso há a liberação de substâncias, como a dopamina e a noradrenalina, que estão relacionadas ao aumento da atenção e da concentração”, explica. E mais: “Alguns estudiosos apostam que os exercícios físicos induzem a neuroplasticidade, ou seja, o aumento de volume cerebral e capacidade do nosso cérebro de formar novas ligações entre os neurônios, fato importantíssimo para aprimorar as habilidades cognitivas”. Mais um motivo para incentivar as crianças a saírem do sofá sempre, não?

Por em 16 nov 2012. Arquivado em Geral, Saúde. Você pode acompanhar quaisquer comentário a esta notícia através do RSS 2.0. Comentários e pings estão fechados no momento.

Comentários fechados.

Design by Design in Site
Todos os direitos reservados. Gazeta 24 horas.